FGV PREVÊ PIB DE 1,8% EM 2014

FGV

As sondagens dos setores de comércio e serviços, divulgadas ontem pela Fundação Getulio Vargas para o quarto trimestre do ano mostram que a redução de 0,5% no PIB do segundo para o terceiro trimestre foi um “caso excepcional”. Mas, apesar de os dados apontarem para uma retomada da economia no quarto trimestre, ainda não há sinal consistente de continuidade do movimento em 2014.

“Os resultados são insuficientes para sinalizar a aceleração do crescimento”, afirmou o economista Aloísio Campeio, superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV. Este ano, de acordo com relatório do Banco Central, a economia deve crescer em torno de 2,3%.

Para 2014, a FGV projeta um crescimento do PIB de 1,8%, uma taxa básica de juros (Selic) de 0,5%, expansão de 2,8% na formação bruta de capital fixo (FBGF), IPGA de 5,9% e a inflação de alimento em 5,6% (a previsão para 2013 era maior, de 7,5%).

“Estamos vivendo uma situação que os investimentos estão desacelerando e o consumo está mais fraco do que no passado”, avaliou Campeio.